Pular para o conteúdo principal

Mobiliário Autoral - Minha Primeira Cadeira

Para finalizar o curso de mobiliário, fizemos um projeto autoral (se você não viu os demais posts, clique em poltrona náutica e poltrona krat) e gostaria de compartilhar minha experiência com vocês.

   
Resultado final. Fiz uma detalhes em preto, queria muito fazer cadeira com cores, vou aprimorar e quem sabe a próxima já aparece um amarelo, um azul...

Ficou bem confortável, mas não é aquela cadeira pra relaxar, 
quem senta fica com a postura bem certinha.

Logo no início do curso soube que faria uma peça minha. E a pesquisa começou. Visitei blogs, sites, e vasculhei designers famosos para entender um pouco das poltronas que eles criaram. Um peça que é tão "comum", como fazer algo diferente, inovador, e ao mesmo tempo de fácil execução? Parece que não tem muito o que mudar, um assento, um encosto, pés e às vezes braços. Mas me enganei, cada um dos meus colegas fez uma peça diferente da outra, usamos materiais diferentes, inclusive agregando técnicas como o macramê, e no final tivemos uma experiência bem transformadora.

   

   
Fotografei todas as etapas, adoro registrar os processos e voltar para analisar conforme passa o tempo. Hoje ainda está bem fresco na cabeça, mas com o passar dos anos algumas informações são perdidas.


Tenho facilidade em desenhar. Meu caderno chamava atenção nas aulas, mas só o desenho não diz nada. Aliás nunca desenhei cadeiras/poltronas, essas são peças esculturais, feitas por designers, nós arquitetos projetamos outras coisas. Mas decidi tentar. Queria colocar o tricô no encosto, unir mais de uma técnica que conheço, mas nas conversas com o professor, deixei de lado - por enquanto - e parti para um projeto mais "clean".

   

  
Olha só a quantidade de parafusos! 

A primeira decisão que tomei é que seria uma cadeira, e não uma poltrona. Pensei em reproduzir em casa e fazer assim as cadeiras para minha mesa de jantar. Outro ponto importante que tomei, era de não ser uma peça robusta, precisava ser limpa, simples, leve para ser tirada do lugar com facilidade, e de fácil execução.

   
Quase pronta, faltam as travas do meio.

Cheguei no modelo. Próximo passo cortar as madeiras. E esse trabalho não podia ser feito em aula, ou seja, as partes deveriam já estar cortadas e apenas a montagem poderia ser feita no curso. Muitos dos meus colegas levaram para marceneiros fazerem o corte, mas eu queria fazer tudo em casa, bem artesanal. Então meu sogro me ajudou a cortar todas as peças.

   
Sargentos para segurar as peças coladas. Usamos parafusos e cola também.

Sobre a montagem, fui meio que testando...errando e refazendo, sem muita preocupação. Não desenvolvi um super projeto, precisei refazer algumas partes, e até acrescentar um travamento, mas no final ficou super bom e só agregou ao meu trabalho.

Queria criar uma cadeira só com encaixes. Trabalho muito complexo, não consegui. Aliás o professor me sugeriu colocar muitos parafusos, bem mais do que desejava...achei que ficou exagerado, mas acatei as dicas dele. Espero na próxima criar encaixes que me permitam usar menos parafusos, e acho que consigo.

   
Prontinha. Tirei a foto lá no Sesc mesmo, no meio da oficina. Adoro esse
 espaço, tenho aprendido tanto aqui.


No curso não daria tempo para desenvolver tanto, por isso não tive como aprofundar melhor sobre esse tema, e foi meu primeiro contato com esse tipo de trabalho. Na faculdade reproduzimos a cadeira zig zag, mas faz tanto tempo que nem me recordo como foi, e é projeto de designer, não tem como contestar que funciona.

Maquetinhas, a peça final tem um pouco de cada uma.

Cada vez mais venho me conectando com a madeira. O bambu, apesar de não ser madeira, é um material muito similar...as xilogravuras que faço, os carimbos das minhas estampas, tudo está ligado e vejo que venho evoluindo e me descobrindo nessa área.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç