Pular para o conteúdo principal

Riscos e Rabiscos - Letras, Tipografia, Fontes...

Sexta feira visitei lá no prédio do Banespa, o atual Farol Santander e já fiz um post sobre ele quando fiz minha primeira visita. Riscos e Rabiscos ocupa dois andares do edifício e fala um pouco das letras encontradas nas fachadas, nos cartazes, na rua em geral. Adianto que vale muito a visita.


Fazendo pose depois de ter adorado a visita.

Logo na entrada tem um vídeo de aproximadamente 8 minutos, contando a história das letras e dos números, como surgiram e como chegaram ao que usamos hoje. Muito interessante, é rápido, mas faz um panorama geral, passando por vários momentos importantes. Nem sempre assisto aos vídeos das exposições que visito, mas este valeu muito.

Fotos da cidade de São Paulo, com os tipos das fachadas, dos cartazes de populares, das placas dos comércios, dos lambe-lambes dos muros, tudo foi registrado.

       



Fontes, caligrafias, cores, uma explosão de criatividade.

Num dos corredores vemos a sequência de fontes muito interessante, com alfabeto dos imigrantes, com fontes criadas pela cultura popular e seus artistas anônimos, outras fontes clássicas e contemporâneas com aplicação de placas de ruas, identificando a tipografia urbana paulistana.

  
Algumas fontes para nos inspirar, essa área estava bem interessante.

  

Espaço das fontes, estante com as letras usadas em letreiros em Portugal e ao fundo o 
monitor com o vídeo sobre a história das letras e números.

   

Essas letras vieram de Portugal especialmente para a exposição, foram fabricadas na
 Suíça na década de 50 e eram utilizados em letreiros de lojas.

     
    


Gosto muito quando as exposições criam uma interação entre o público, e neste caso haviam em muitos momentos essa participação do visitante.

Uma tela com uma imagem de janela embaçada, numa noite chuvosa...
e eu escrevi boa noite, que logo se apagou. 

Uma tela com imagem de areia, para também escrevermos...

Alguns monitores com "brincadeiras" interativas, como neste em que respondi várias perguntas e cheguei na minha fonte, que aliás é a fonte mais usada no mundo.

Um dos momentos mais divertidos, conforme seus movimentos sobre a projeção, ela é refletida no fundo preto, e ainda tem uma música muito gostosa para ouvir e interagir.

 
Para finalizar com chave de ouro, numa das salas era possível testar carimbos sobre um papel previamente impresso, bastava escolher a letra e cada uma delas tinha uma fonte diferente.

  
A letra "A" já havia esgotado, então escolhi o "D" para carimbar meu apelido. 
E depois fui testando vários modelos, gostei muito dessa brincadeira de estampar.

  
Aproveitei as sombras no chão para fotografar minha folha...e ao lado com os
 trabalhos que muitos visitantes não levaram para casa.

  
Sala de atividades, vou chamá-la assim...uma parede com o alfabeto, uma mesa 
com espaço para carimbar e pessoas de todas as idades se divertindo.

     
Achei incrível esse banco feito com placa de trânsito antiga, meu lado "faça você mesmo" fica com o radar ligado e presto atenção em tudo que vejo. Agora quando eu encontrar uma placa perdida por aí, já sei o que fazer.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç