Pular para o conteúdo principal

Mobilidade urbana, Bordado e Liberdade!

Janeiro nem terminou e já fiz tantas aulas legais. Comentei neste post aqui sobre meu início de ano sem férias, e como eu aproveitaria da melhor forma que fosse possível; no meu caso moro em São Paulo e fiz isso visitando exposições e fazendo cursos, que para mim são uma diversão!

Sesc Pompéia um dos meus lugares favoritos em São Paulo.

Fiz duas aulas de bordado, uma com o Bordado Studio e uma com a Primavera de 83. Já conheço as duas e sou fã do trabalho delas. Na aula com a Andréa, minha xará. conversamos um pouco sobre mobilidade e entramos em questões práticas de como funciona as ciclofaixas em São Paulo e como podemos aproveitar melhor o espaço urbano. Além de arquiteta sou urbanista, e gosto muito destas questões relacionadas a cidade, acredito que evoluímos sim, mas temos muito que debater ainda.

   
A aula foi no Sesc Pompéia e é só chegar. Acontecem às sextas e domingos 
de janeiro, das 15h às 18h. Aproveita que tá acabando.

Usamos aquela caneca que sai com o calor. O primeiro Arte foi riscado, 
e decidi pensar melhor na distribuição das palavras.

Depois passamos para a prática. Alguns exemplos de frases foram dados, e eu decidi fazer um jogo de palavras cruzadas, tudo de improviso pois eu não tinha nenhum papel de rascunho. Conhecei a bordar sem planejamento e as ideias foram surgindo. Talvez se eu tivesse mais tempo, teria escrito São Paulo no centro e a partir dele, faria as outras palavras.

Foi tudo feito livremente, as letras estão com tamanhos diferentes, 
alguns contornos ficaram tortos, mas já está 
entre os bordados mais queridos, e homenageia a minha amada cidade, 
pelo seu aniversário de 465 anos!

Enfim, fui bordando e precisei terminar em casa. Decidi que desmancharia a primeira palavra, e escrevi novamente com letra de mão. Gostei! Refiz as demais e no final fiz um skyline da minha ideia de cidade grande, com vários prédios, como Sampa.

No final eu gostei bastante. É um grande exercício para mim começar a fazer qualquer coisa sem planejamento, sem rabiscar uma ideia. Mas é uma boa maneira de ser livre, ser criativo, de não se cobrar tanto. Uma curiosidade, haviam três crianças na aula, uma menina de 8 anos, um menino de 9 anos e uma de 12 anos. E rapidamente eles fizeram seus desenhos.

As demais pessoas ficaram encantadas, até uma senhora falou que as crianças de hoje são mais criativas. Eu descordo, eu acho que todas as pessoas são criativas, não importa a época, a diferença é que as crianças não se julgam, elas vão e fazem. Não se intimidam diante de uma folha em branco. Quem leu o Pequeno Príncipe deve se lembrar do desenho da cobra comendo o elefante, que quando ele mostrava aos adultos, todos diziam que era um chapéu. Pois é, perdemos um grande desenhista que parou de criar depois do julgamento dos adultos. Pensem nisso!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç