Pular para o conteúdo principal

O Fio Da Trama - Leitura Me Levou a Refazer Um Casaco

Conheci a Consuelo Blocker durante essa quarentena, através de uma live dela e o Pedro Pacífico do Bookster.

O que este casaco tem a ver com o livro?

Primeiro me interessei muito pelo lugar que ela mora, Florença na Itália. A casa dela é linda, tem um jardim maravilhoso e uma árvore incrível no centro. Todos os dias ela entra nos stories e mostra o sino da igrejinha badalando, construção com mais de 100 anos! Parece bobagem, mas gosto muito de ouvi-lo tocar, alegra meu dia.


O livro é bem grande e gostoso de ler, a capa é linda!

A Consuelo é divertida, chique, despojada e por isso passei a admirá-la. Soube do livro, O Fio da Trama, que conta a trajetória das mulheres de sua família, desde a avó Gabriella, que fugiu da 2a Guerra e veio parar no Brasil, passando por sua mãe Costanza Pascolato, até os dias atuais descrevendo um pouco sobre ela e a irmã Alessandra.

Leitura super fluida e muito interessante, principalmente a primeira metade que acontece na Itália. E durante esse processo, encontrei muitas passagens que me chamaram a atenção, dentre elas de como era comum desmanchar casacos de tricôs antigos dos pais e tecer novamente peças para as crianças. Ou reaproveitar uma cortina, ou forro e costurar outras roupas.

Neste trecho ela diz que após desmanchar um casaco, ela tricota maior para depois "ferver em água" e ele encolher. Achei muito inusitado.

E quando eles chegaram ao Brasil continuaram fazendo isso, pelo menos no início, e não por não terem condições de comprar, mas por darem valor as peças de roupa. E muitas pessoas faziam chacota deles..."lá vai a Costanza com sua roupa de cortina..." E depois de anos ela virou referência em moda.

Começando a desmanchar a manga.

Ano passado tricotei um casaco de lã merino. Ele ficou comprido e com as mangas curtas. Decidi que faria um ajuste. Desmanchei as mangas e a barra, refiz aumentando onde precisava e o resultado ficou muito bom. É isso, sem medo de arriscar, o fio é para ser desmanchado quando preciso.

Tecendo com calma, sem pressa...como o fazer artesanal deve ser.


O fio desmanchado ficou cheio de ondinhas, e quando estava tecendo achei a trama mais aberta, mas mesmo assim valeu o esforço e depois de lavado, acredito que ficará mais uniforme.

          
O casaco era aberto, o primeiro que fiz sem ter conhecimento dessa técnica, 
mas achei que ficou melhor fechado, por isso costurei.

Usarei esse casaco por anos, a lã é ótima, ficou num tamanho bom e a natureza agradece. As informações estão o tempo todo ao nosso redor, basta que você saiba recebê-la. Isso é o que diz o livro A Grande Magia, outra super dica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç