Pular para o conteúdo principal

Estudar e Agregar Repertório - Tábua de Cozinha

Cada ano tenho me dedicado a aprender/aprimorar uma técnica. Sabe que história de manter o foco? E atrás dele que estou indo. 

Não tem nada de errado querer fazer muitas coisas, eu mesma faço. Mas até eu descobrir qual seria o meu nicho, quais produtos eu venderia na minha loja, demorou uns bons anos.

E foi justamente em 2018, ano que muitos problemas de saúde da minha mãe e tia, além de obras acontecendo, que eu parei um feriado e comecei a estampar e a pensar numa ecobag para nós que gostamos de tecer. A ideia já estava na cabeça e inclusive nos inúmeros caderninhos que tenho, faltava mesmo era concretizar. E assim foi! E daquelas cinco ou seis peças (não me recordo), saíram muitas mais. Tantas que eu nem pude imaginar. 

Essa sacola envolve costura/modelagem que estudo desde 2012. Xilogravura, block printed desde 2013, são muitos anos que venho adquirindo repertório sem saber ao certo para qual caminho eu seguiria. Mas ano passado esse caminho se tornou claro, e desde então continuo focada nos estudos e tentando aprimorar cada vez mais.

Tábua quase pronta, passando pelo óleo.

    
Recebemos um retangulo de madeira e o professor deu algumas 
informações básicas antes de por a mão na massa.

Toda essa introdução para falar que a madeira tem estado muito presente no meu dia a dia. Com ela eu estampo minha peças e tenho cada vez mais ideias para novos produtos. Por mais que fazer cursos de marcenaria não estejam diretamente ligados a estampa, neles eu aprendo a trabalhar com a madeira, a conhecer melhor seu desempenho e onde ela pode me levar.

    
Depois de eu ter cortado com a serra tico tico, ao lado o professor Taigoara passando a topia.

    
Uma amostra de como fica o canto vivo depois da máquina arredondar os cantos. 
Ao lado já no processo de lixamento.

   
Depois de passar por três gramaturas de lixas diferentes e pronta para receber o óleo.

Dias destes, no curso de férias do Sesc, me inscrevi numa aula de tábua de cozinha. Eu já tive algumas para venda na minha loja, mas somente os desenhos eram meus, as peças foram cortadas numa máquina. Desta vez tive contato com todas as partes do processo, e foi muito enriquecedor.

        
Registros que fiz dos meus colegas cortando as suas peças, e ao lado o professor passando o óleo.

    
Flagrada pelo professor, depois de passar a cera e sentindo com as 
mãos a lindeza que ficou minha tábua.

Usamos a madeira cedro rosa, e o corte foi feito de forma aleatória - eu escolhi assim - bem freestyle, com a serra tico tico, depois ela passou pela topia - o professor quem fez essa parte - para então chegar na etapa da lixa. Fiz todo o processo a mão, sentindo a madeira ganhando forma e ficando lisa.

Foi muito bom. Depois disso era a hora de encerar a tábua. Parte bem importante dessa aula. Saí de lá com uma tábua nova, única e exclusiva para minha cozinha. Mas além disso, agreguei mais conhecimento ao meu repertório "madeirístico". 

Se você acha que é caro estudar, saiba que este foi gratuito. Fiquem atentos, pois existem muitos cursos/palestras assim pela cidade. E infelizmente eu não consigo compartilhar tudo. Mas para se inscrever num curso assim é preciso paciência, tem filas e muitas vezes não conseguimos a vaga. 











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç