Pular para o conteúdo principal

Fui Convidada Para Yarn Bombing - Trivento / Itália

Sempre gostei de desenhar. Queria ser uma artista, daquelas que tem um ateliê cheio de tintas e pincéis espalhados, com um cavalete no centro. E é claro, usar macacão com avental respingado de muitas cores.

Me expressei profissional de outra forma, mas sempre criativa. Nos últimos anos voltei a pensar no ateliê, na artista e transformei uma cozinha sem uso num espaço criativo. Mas ainda não tinha um cavalete com uma tela no centro. Foi através da costura, do tecer a mão, da estamparia que cheguei as pessoas, assim que elas se conectaram a mim.

Peça pronta. Com todos os detalhes que eu havia imaginado. 

Ano passado recebi um convite para participar de um yarn bombing em Trivento, na Itália. Seria a oportunidade de criar uma peça tecida (escolhi o crochê) e mostrar para o mundo, e fazer parte de um evento lindo, com pessoas de vários países e culturas, mas unidas pelo fazer a mão. Fiquei muito feliz, e ao mesmo tempo ansiosa para escolher o que fazer.

Tudo foi feito free style, sem receita, sem escrever nada, fui criando conforme ia tecendo.

Até conversei com a Daniela - uma querida do Punto Mamma, que entrou em contato comigo sobre o evento - para saber o que fazer. Uma das poucas vezes em que eu fiquei paralisada, sem ter ideia. E ela muito gentil disse que eu poderia fazer algo para prender num corrimão, numa grade, numa árvore...e assim fui soltando minha imaginação num dos muitos caderninhos que tenho.

Crescendo aos poucos.

Foto inspiração. Que cidade mais linda!

Decidi conhecer melhor a cidade de Trivento e dei um google. Apareceram várias fotos da árvore de natal de squares (ela foi muito repercutida ano passado, e foi através dela que conheci o trabalho do coletivo Un Filo Che Unisce, muito antes de ser convidada para este evento). E me encantei pela vista área da cidade. E como num passe de mágica, decidi fazer em crochê, essa imagem.

Mais detalhes, tem nuvem feita de fibra, bordado das casinhas, montanha e céu.

Ai é que entra a artista. Sim, quis fazer algo mais conceitual, que não representasse fielmente a cidade, mas que lembrasse. A ideia era fazer uma vista de dentro do avião, mostrando a janela e a paisagem. Mas as janelas dos aviões são pequenas. Fiz uma janela maior, retangular...que pode ser de um helicóptero ou um zepelin... olha a licença poética!

Fixei numa grade para ter ideia de como vai ficar.

O plástico atrapalha um pouco na foto, mas eu acho que dá pra ver.

Nesse momento, de qual janela não tinha mais relevância. Criei uma montanha com mistura de verdes e terra, e um amontoado de casinhas. Ficou tudo muito acomodado dentro da minha janela imaginária, e para o realismo ser ainda maior, coloquei um plástico representando o vidro.

Enviei com antecedência, e já deve estar chegando por lá, mas o evento só vai acontecer em agosto. Estou super ansiosa!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç