Pular para o conteúdo principal

Você Conhece a Vila Itororó Canteiro Aberto?

Olá,

Lembram da aula que fiz com a Sheila na Vila Itororó? Então, fiquei com vontade de conhecer melhor o espaço e visitar o canteiro de obras. Voltei na semana passada, fiz mais uma aula com ela (depois vou fazer um post com os bichos de meia que criei) e fui conhecer melhor esse projeto.

Vista de cima do palácio principal e as escadarias. 

A Vila Itororó é formada por 35 habitações que foram construídas entre 1920 e 1930 aqui em São Paulo, numa região conhecida como "Itororó". Antiga propriedade rural, a região que abriga a vila pertencia a Francisco de Castro, filho de portugueses. Para a construção das habitações, ele aproveitou objetos de demolição de um antigo teatro, e elementos construtivos e decorativos diferentes dos encontrados na cidade, e por isso que o conjunto como um todo, chama muito a atenção.

            
O palácio principal ainda sem reforma, e no detalhe as alterações feitas pelos antigos moradores. O estado do edifício é terrível, por isso que não podemos entrar durante a visita.

A vila vai muito além de ser apenas uma habitação, abrigava uma piscina - alimentada por uma fonte de água natural - e um espaço para lazer, onde Castro organizava festas e reunia grandes intelectuais da época. Atualmente a Vila vem sendo restaurada, e em uma das construções acontecem eventos temporários organizados pela prefeitura.
               
            
Mais detalhes das construções, parede pixada que foi construída pelos últimos moradores. Ao lado um pilar com a estátua de uma mulher, e as construções mais recentes, feitas com tijolo baiano.

A grande maioria dos eventos hoje acontecem num galpão anexo, na Rua Pedroso. O espaço é aberto e convidativo, basta chegar e se inscrever para as oficinas que estão acontecendo no momento. As duas vezes em que estive lá observei atividades diferentes, mas sempre agregando pessoas e conhecimento. E na realidade criar esse "canteiro aberto" foi uma forma de entender que uso dar as construções que estão sendo restauradas. Que tipo de centro cultural ou que atividades aconteceram lá? A intenção é participar a sociedade dos acontecimentos e cobrar do poder público que a reforma chegue ao final e uma parte de nossa história seja preservada.


             
Muitas construções interessantes, queria entrar em todas.

             
Um dos poucos lugares em que podemos entrar. Neste prédio acontecem os eventos temporários. Aqui a cozinha e ao lado instrumentos musicais feitos de barro. Gosto de ver as paredes mantendo as características originais. O piso é novo, as vigas de madeira são originais e foram recuperadas.


             
Casinhas amarelas que estão em fase final de restauro. As paredes são bem grossas, características das construções da época. As visitas internas ainda não estão liberadas.


             

Data de 1922. Gostaria entrar nas construções assim que for possível. Apesar de estarem bonitas, acredito que deve ser mantida parte das construções originais, inclusive com os descascados das paredes. E me parece que muitas estão como nova.

As visitas acontecem às quintas e sábados, e basta chegar e se inscrever no local - limite 50 pessoas por dia - e as atividades são regulares, você pode acompanhar pelo site ou pessoalmente no galpão. As aulas da Sheila vão até novembro e eu pretendo voltar mais vezes.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç