Pular para o conteúdo principal

Cesto com Fio de Malha - Ponto Baixo Centrado e Fio Conduzido

Olá,

Saí do curso da Mari super inspirada e com meu cesto pronto. Então era o momento de começar um novo; essa é uma dica que dou, sempre que faço uma aula procuro refazer em casa para fixar bem o aprendizado. Claro que nem sempre é possível, mas é bom tentar. No caso do tapete eu não finalizei no dia do curso, então pude continuar em casa e treinar.

O cesto menor fiz durante o curso e reproduzi um maior, testando fazer as letras. mas não ficou tão firme como o primeiro.

A minha ideia era fazer um cesto maior e escrever alguma palavra com o fio conduzido. E para isso eu usaria as sobras dos dois workshops que fiz (Nat Petry e Pra Gente Miúda). Comecei usando o mesmo fio cinza para a base do cesto. E quando subi as carreiras no ponto centrado, pensei em algumas palavras...e decidi escrever CROCHÊ. As sobras não seriam suficientes para fazer todas as letras, então optei em fazer uma de cada cor, ou seja, só aumentando o nível de dificuldade do projeto.

Emaranhado de fios...por um momento achei que não daria certo, mas é preciso ter calma que o resultado compensa o esforço.

Usei um papel quadriculado para escrever e decidir que tamanho as letras teriam e o espaço entre elas. E lá fui eu, com a cara e a coragem, embaraçando todos os fios, errando muito na troca, mas depois de tanto erra e desmancha, no final deu certo.

Dica é usar os fios da mesma espessura para ficar melhor estruturado.

Algumas dicas que tenho para compartilhar: use fios da mesma espessura e tipo. Alguns que escolhi eram mais finos e brilhantes, bem diferente do cinza principal, e isso resultou numa irregularidade nas laterais, principalmente no que se refere a altura das carreiras.

A ideia era fazer um coração no final, mas um cálculo errado não permitiu, deixei então apenas um ponto colorido. Quando fiz o acento do E, no final da última carreira o fio cinza acabou. Cheguei até a fazer o ponto caranguejo em outra cor, mas não gostei. Desmanchei e achei melhor retirar o acento, fazer menos carreiras para conseguir finalizar com ponto caranguejo em cinza. Não gostei também. Ficou muito aberta a boca do cesto. Desmanchei novamente e finalizei com ponto baixíssimo. Agora sim, estava feliz com meu trabalho.

O azul claro e o fendi são bem mais finos que os demais e ficou bem visível a deformidade.

Importante, sou perfeccionista sim. Tento trabalhar para melhorar isso, acredito que já tenha evoluído bastante, mas neste caso do cesto achei que não era muito trabalho desmanchar apenas 3 carreiras e refazer, para que eu pudesse usá-lo melhor. E foi o que fiz.

Os acabamentos internos ficaram muito bons. E apesar dos fios mais finos, eu gostei do resultado.

Ao final deste projeto aprendi muito sobre o fio conduzido. Acredito que agora estou preparada para encarar projetos mais complexos, como aquelas lindas bolsas, as Wayuu, um sonho antigo.

Me aguardem!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç