Pular para o conteúdo principal

DIY - Vaso Vintage

Existem objetos que nos remetem a bons momentos da vida. Acredito que a grande maioria das pessoas gosta de se lembrar da infância. Época boa, de brincadeiras na rua, jogos com amigos, almoços de domingo na casa da vó - no meu caso, antes da era digital - de não se preocupar com nada além dos estudos.

Vaso restaurado e com uma plantinha muito fofa.

Não tive muito contato com meus avós, eles eram mais velhos quando nasci, mas tive/tenho muitos tios amorosos. Quero destacar a minha tia que cuidava da gente ( de mim e de meu irmão ), que gosta muito de plantas, e de cozinhar também. A casa dela era cheia de samambaias, todas penduradas nas paredes...sabe xaxim (proibidos hoje em dia), existiam muitos. E sempre que vejo plantas e vasos antigos me lembro dela.

Vaso abandonado, com várias partes trincadas e faltando um pedaço. 
Base de ferro enferrujada e com um papel enrolado nela.

Visitando uma obra, encontrei um vaso de cimento com a base de ferro, muito tradicional nos lares brasileiros antigamente, inclusive existem muitas releituras dele atualmente. Ele estava quebrado, o pé enferrujado, e como eu gosto de peças com história era certo que faria a recuperação dele.

Fiz um passo a passo rapidinho para animar vocês a recuperarem as peças antigas. É tão legal ter algo que era de algum ente querido e trazer de volta ao uso. Neste caso, nem sei quem era o dono, mas o vaso tinha história e era fácil a recuperação.

   
Primeira parte foi refazer esse pedaço faltante.

Pensei em usar papel, mas não foi resistente.

Então substitui por papelão.

Usei três pedaços de ferro dobrados que estavam jogados pela obra, mas você pode colocar arame ou prendedor de plástico.
Tudo preparado para colocar o cimento.

Fazer cimento é fácil, basta seguir qualquer receita que você encontra na internet. Fui preenchendo aos poucos.

Tirei o ferro do meio para poder colocar o cimento e depois devolvi no lugar para manter bem firme o papelão

Deixei secar por uma semana.

Para só então retirar o papelão e os ferros.

Sempre aquele suspense na hora de ver se ficou bom.

Ficou muito bom, mas foi preciso lixar para retirar as marcas do papelão. Não registrei, mas passei uma camada de cimento nas partes trincadas. Depois de seco lixei tudo, para retirar inclusive a tinta antiga e as marcas de ferrugem.


A próxima etapa foi a pintura e perdi o passo a passo. Pensei se valeria a pena compartilhar mesmo assim, mas acho que pintar é mais tranquilo e você encontra muitos tutoriais ensinando, inclusive no meu canal do youtube.

Passei várias demãos de tinta para deixar bem branquinho. Se você quiser pode fazer desenhos e pintar com várias cores.

A base de ferro também passou por um bom processo de restauro. Tirei todo o papel e limpei bem com um pano úmido. Lixei várias vezes, partindo da lixa mais grossa para a mais fina, esse processo é bem importante.

Pés azuis, vaso branco e plantinha verde. Ficou demais essa combinação. 
Logo ele vai encontrar um lugar definitivo.

Depois limpei novamente, deixei secando e usei tinta spray para pintar. O truque de usar spray é ir pintando aos poucos, dando uma distância de 20 cm da peça. Deixa secar e passa de novo, cobrindo os lugares em que a tinta não pegou. Para finalizar usei um verniz spray fosco, assim a peça fica mais protegida.

Este tipo de vaso tem um furo no centro, eu coloquei um pedaço de feltro para que não vazasse a água e coloquei terra com adubo. Plantei uma batata doce roxa, que é linda e cresce muito. Não vejo a hora dela subir, literalmente, pelas paredes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç