Pular para o conteúdo principal

Dicas Para Reformar Sua Casa

Ano passado reformei uma casa antiga e tive alguns desafios para resolver, aliás essa é a melhor parte de fazer obras, nenhuma é igual a outra e sempre, vocês leram bem SEMPRE teremos algum imprevisto.

A casa estava alugada há muitos anos e nem sempre os inquilinos cuidam bem - o que acho totalmente errado, já que a casa é sua enquanto você estiver morando nela - e elas ficam bem deterioradas. Esta não foi diferente.

A ideia era gastar pouco, não fazer grandes obras para que a mudança acontecesse rápido. Mas sabe aquela máxima: já que... Hahaha. Ela é real! Já que estamos mexendo no piso externo, porque não trocar o do banheiro? O pedreiro já está com a mão na massa, o material é o mesmo, e por ai vai.

Piso sobre piso fica muito bom, mas precisa tomar cuidado
 com os ralos e nivelar com o piso novo. 
Grafiato no muro e pintura na casa.

Primeiro de tudo o piso externo precisava ser trocado. Para ser mais rápido e não gerar lixo, colocamos o piso sobre piso, resolve e fica muito bom, mesmo. Podem confiar. Neste caso usamos o porcelanato - piso super resistente - que não escorrega. Casal de idosos eram os futuros moradores, todo cuidado é pouco.

Pintura em todos os cômodos. Este item é primordial, dá uma cara nova e ainda não custa tão caro. Inclusive na parede externa fizemos um grafiato - não gosto deste tipo de textura, mas os clientes gostavam e como a parede estava bem descascada, seria mais fácil esconder as imperfeições.

Na cozinha os azulejos estavam bem furados. Imagina que cada inquilino fez um buraco diferente para fixar os armários. Neste caso não coloquei outro revestimento sobre o existente, resolvemos pintar. E me lembro na época que mostrei nos stories do instagram e muita gente comentou que achava os azulejos antigos muito bonitos, que era uma pena pintar. Mas quando é possível aproveitar eu sou a primeira a dizer, neste caso estava bem ruins e a cliente gostou da ideia da pintura.

   
Azulejos sendo pintados. O piso foi mantido, mas fizemos a base de alvenaria e trocamos a bancada. Todos os caixilhos foram pintados e os espelhos das tomadas trocados.


A bancada da pia também não estava das melhores. Já que a bancada seria nova, projetei uma base de alvenaria para colocar o gabinete. Usei um azulejo branco que sobrou do banheiro e ficou tudo perfeito. 

As louças dos banheiros também não estavam em bom estado. Inclusive sempre indico trocar as louças. Todos estes materiais que não estão em bom estado para a cliente, são muitas vezes úteis para outras pessoas e nada se perde. Todos encontraram novos donos.

  
Encontramos alguns azulejos bem na mesma cor e outros nem tanto, isso é praticamente impossível encontrar todos iguais, tem o desgaste do uso e o número do lote que varia.

Por falar em banheiro, acabamos optando por trocar o piso, e novamente colocamos o famoso piso sobre piso. Nas paredes o azulejo era muito bonito, bem antigo e alguns estavam quebrados. Conseguimos comprar num cemitério de azulejos - o preço é bem salgado - mas saiu mais em conta do que trocar tudo. No box trocamos o policarbonato e as roldanas - o serralheiro fez o serviço além de dar uma geral nas janelas e portas.

  
Não tirei foto da janela antes - falha minha, aliás foi tudo muito rápido e quase
 não tenho fotos do antes - mas dá para ver o tamanho que era, e como ficou. A grade também foi cortada, já que o serralheiro estava na obra, ele fez o serviço e ficou ótimo.

    
A cor das paredes era verde e mudamos para um areia, cor de linha encontrada 
facilmente nas lojas. Ao lado, um grafiato no tom péssego, e piso cinza,
 tudo contribuiu para dar um tom mais claro e moderno na casa.

Mas o principal deste cômodo era a janela. Além de muito grande para o box - nada de privacidade enquanto se toma banho - ela estava bem enferrujada, e nos vidros de baixo colocaram um plástico cinza para cobrir e preservar a intimidade de que estivesse no banho.

Adorei a solução do nicho na janela. Transformar os
 problemas em boas soluções é o melhor da obra.

Trocar a janela foi a solução, mas tive a ideia de aproveitar e fazer um nicho para shampoo na parte de baixo. Ou seja, coloquei uma janela menor, comprada nas medidas convencionais - o que é mais barato - e criei o nicho, que revesti com azulejo que imita pastilhas, encontrado no depósito de material de construção perto da obra e paguei R$3.00 em cada peça, precisamos de 3 apenas.

Muitas vezes buscar próximo de casa sai mais vantajoso, reforma é tudo na ponta do lápis. Com paciência você encontra as melhores opções.


Fulget quebrado e os tijolinhos colocados. Muitas vezes ideias simples resolvem o problema e o melhor, gastando pouco. Todos os caixilhos foram pintados de marrom, não me lembro agora a cor, mas era de linha e facilmente encontrado nas lojas de material.

Mais de perto para ver o detalhe do fulget e do tijolinho.

Outro ponto legal para destacar era a fachada em fulget. Este revestimento é feito com pedras naturais e outros materiais, junto com cimento. Fica com aparência bem rústica, e não tem como retocar. Seria preciso tirar tudo e fazer de novo. Para evitar estes desperdício, tirei apenas a parte do canto que estava caindo e fiz um revestimento de tijolinhos. Ficou parecendo um pilar, combinou com o restante da casa, foi rápido e mais barato para fazer.

Espero ter conseguido te inspirar a mudar algo na sua casa gastando pouco e resolvendo os problemas mais urgentes.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç