Pular para o conteúdo principal

Vamos Falar de Amadorismo no Artesanato?

Olá,

Há tempos que venho pensando neste assunto e se valeria a pena falar sobre ele. E decidi abrir aqui um espaço para discutirmos sobre essa questão do amadorismo no artesanato.

Desde muito nova fazia trabalho manual, encapar meus cadernos e latinhas para organizar minha mesa de estudo era rotina. Pintava quadros, fazia colagens e a grande maioria desse conhecimento foi adquirido com a minha mãe, com professoras de arte da escola e através de revistinhas infantis - que eu devorava. Nunca havia feito cursos.

O tempo passou, entrei num curso de desenho, logo depois comecei a faculdade de arquitetura, fiz curso de cenografia e há seis anos passei a prestar atenção no artesanato. E a grande diferença que percebi foi a forma que o ensino é encarado.

Livros são muito importantes para nosso aprendizado. Estes são uma pequena parcela dos meus!

Nestes anos que venho me dedicando ao aprendizado do artesanato percebi que o amadorismo é muito forte. Já cheguei a fazer aulas em lugares nos quais os professores não tinham tanto conhecimento assim, o acabamento não era bom, a administração do curso deixava a desejar. E tudo isso contribui para essa visão que muitos tem de que o feito a mão não é bom, não é bonito, não chega aos pés dos produtos industrializados.

E é por causa dessa minoria despreparada que o nosso artesanato acaba sendo considerado um trabalho ruim. Venho, junto com muita gente bacana, tentando mudar essa imagem. O artesanato pode e deve ser sim algo muito bonito e bem acabado. Basta você se dedicar, estudar, treinar muito e ter consciência da qualidade do que produz.

Aqui estou usando uma receita de bolsa do livro que ganhei recentemente. Fiz umas adaptações e saiu uma com as minhas necessidades.

O que percebo é que a pessoa aprende numa semana e na outra já está vendendo e querendo dar aulas. Não que isso seja ruim, mas para vender produtos e preciso que eles sejam bons de verdade. e isso requer tempo. Outra questão, nem todo mundo que faz coisas bonitas sabe ensinar.

Veja minha experiência. Eu queria fazer crochê e pedia para minha mãe me ensinar. Ela é professora, mas não de crochê; e não conseguia. E não é porque ela não sabe, aliás ela sabe muito, tem 50 anos de experiência, mas não soube me passar. E isso faz toda a diferença.

Faço vários desenhos e anotoções de ideias em cadernos. Acho uma prática muito boa.

Sou muito perfeccionista, e nem acho que isso seja uma qualidade. Meu trabalho de arquiteta exige que meus desenhos sejam muito bem feitos e com o máximo de informações possíveis. Imagina que um terceiro vai usar essas informações para fazer a obra acontecer. E se por acaso não estiver bem explicado/detalhado o resultado não será como planejado.

O assunto vai longe. E eu gostaria de ouvir a opinião de vocês. Vamos conversar sobre o feito a mão que é tão importante, tão rico de possibilidades, de boas energias, e sim, o artesanato pode ser item de luxo, e não algo feito de qualquer jeito.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç