Pular para o conteúdo principal

Receita de Família - Cuscuz Paulista

Sei que este blog não é de culinária, mas é de compartilhar coisas que me deixam felizes e fazem parte da minha história.



Toda família tem alguma receita que é tradicional e todos gostam. Na minha existem algumas, mas o cuscuz paulista da minha tia Ló é incrível. Sucesso desde sempre. Me lembro nas festinhas da escola onde cada criança levava um prato de doce ou salgado, o meu era sempre o cuscuz. Depois de comer, todas, eu disse TODAS as professoras pediam a receita. E essa parte era a mais difícil. Como pedir a receita para uma cozinheira que fez isso a vida toda, não tem quantidade certa de ingredientes, vai colocando conforme a receita tá pedindo, mais tomate ou mais farinha... acho que vocês me entendem, não? Mas mesmo assim, sentávamos juntas e ela me ditava os ingredientes, o passo a passo e a gente repassava e nunca ficava com a receita.

Outro dia na minha aula de modelagem de vestidos, estávamos conversando sobre comida, sobre cultura, pois a professora Francine é gaúcha e a minha colega Marie é francesa e eu nascida aqui em São Paulo. Conversa vai, conversa vem, comentei sobre o cuscuz paulista da minha tia, e as duas nunca haviam provado. Na hora decidi que traria na próxima aula para elas experimentarem, e foi sucesso. E é claro que me pediram a receita.

Pedi para minha mãe escrever num papel a versão dela. Liguei para minha tia que mora em outro estado e comparei as duas. Fiz uma junção delas e quando começaria a digitar, pensei um pouco e decidi compartilhar aqui no blog. Desta forma atingiria um número maior de pessoas, e de várias partes do país.

Apesar da minha família ser baiana, ela está instalada aqui há mais de 58 anos e tenho uma mistura grande de temperos e sabores no meu dia a dia. E esse prato é bem tradicional entre meus familiares.

Chega de papo, anota aí e faz para o almoço, é bem facinho e fica muito bom!

Ponto certo do cuscuz, depois de cozinhar a farinha. Forma untada com óleo e "enfeitada" com ovos cozidos, azeitona e coentro. Por fim a massa colocada por cima, agora é só ir para a geladeira.


Cuscuz Paulista

ingredientes
- 1 lata de sardinha no óleo
- tomate bem maduro picadinho
- alho
- cebola
- azeitona
- mix de temperos (salsinha, cominho, orégano, manjericão)
- pimenta dedo de moça (ou qualquer outra ardida)
- farinha de milho amarela (farinha de biju de milho amarela)

modo de preparo
Pica o tomate grosseiramente e bate no liquidificador. Numa panela refogue a cebola e o alho, junte o tomate já batido e misture até dissolver. Coloque um pouco de água, tampe a panela e abaixe o fogo. Deixe apurar. Este molho deve ser como um de macarrão, só que bem ralo.

Retire a sardinha da lata (não jogue o óleo fora) e amasse com um garfo, sem tirar a espinha. Coloque no molho e acrescente o óleo que estava na lata. Misture, e deixe cozinhar sempre em fogo baixo.

Coloque o mix de temperos (faça um de sua preferência), a pimenta dedo de moça e mexa até misturar. Por fim, vá colocando aos poucos a farinha de milho. Ela engrossa o molho, coloque pouco, não pode ficar muito duro. Misture sempre para cozinhar, e quando aparecer o fundo da panela está pronto.

Observe que não existem quantidades. Como disse minha tia faz no olho mesmo. Vá experimentando enquanto estiver fazendo, se achar que falta sal, pode acrescentar, vá de acordo com suas preferências.

Eu gosto de comer quente, como se fosse um purê. Mas existem apresentações para dias mais festivos. Para isso, coloque numa forma com furo no meio, sardinha cortadinha, pimentão, ovo cozido cortado em rodelas, salsinha e arrume tudo no fundo e coloque por cima o cuscuz ainda quente. Espere amornar e coloque na geladeira.

Desenforme na hora de servir.

Estava muito bom e logo acabou!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç