Diário da Reforma - Piso sobre Piso ou Retirar o Existente?

Desde que entrei na casa, a primeira coisa que pensei foi: preciso trocar este piso!

Piso cerâmico de baixa qualidade, com desenho que imita taco de madeira, e no tom marrom avermelhado. Muitas combinações que não me agradavam. 

Assim que visitei o imóvel fiz vários registros, e com certeza esse piso - 
e o azul forte da fachada - foram os me mais me incomodaram.

O piso anterior era taco de madeira, mas segundo os proprietários, estavam bem deteriorados - ah se eu tivesse chegado um pouco antes - e trocaram pela cerâmica. Até ai, tudo certo. Mas esse tipo de cerâmica é bem frágil, o piso mal tinha sido colocado e já tinha partes quebradas, um simples cair de uma chave de fenda já causou um belo estrago.

 
Selecionei dois trechos com os quebrados, mas tem bem mais.

Não me preocupei em protegê-lo, a obra seguiu, e ao longo do tempo percebemos muitos arranhões e lascados nos cantos, entre os rejuntes. Claro que por estar em obra, e sem proteção, os estragos foram maiores. 

Perceba a altura da porta, não passa nada por debaixo dela. A primeira
ideia era quebrar o piso até os pilares e fazer um degrau. 
Não gostava dessa opção.

Tinha pensado em fazer um cimento queimado por cima, ou colocar um vinílico. Qualquer um dos dois seria perfeito, pois não seria preciso arrancar o piso e gerar mais entulho. Fazendo análise dos cômodos, percebi que a porta da sala é de ferro. E a altura abaixo dela não permite colocar piso sobre piso. Problema detectado. Alternativas:

- quebrar somente o hall de entrada, fazer um degrau na sala e vida que segue; ou

- quebrar todo o piso, mantendo o nivelamento de todos os ambientes (exceto o dormitório que é mais elevado), como é hoje.

Para instalar piso sobre piso, o existente precisa estar bem instalado, caso contrário vai soltar o revestimento que virá por cima. Com o andamento da obra percebemos que em alguns trechos, o piso cerâmico está "oco", ou seja, a peça está se soltando. 

O piso do dormitório foi retirado super rápido, sobrou a argamassa, que também vai sair, 
assim o degrau vai ficar mais baixo, mas não conseguiremos nivelar,
 pois teria que quebrar o contrapiso.

Após analisar as possibilidades, chegamos a conclusão que será mais correto retirar o piso existente, fazer um contrapiso e só assim instalar o novo revestimento, que a princípio será um vinílico.

Descartamos o entulho em locais apropriados, aqui em São Paulo existem os EcoPontos espalhados por várias regiões. O lixo recebe o destino correto, o que não prejudica o meio ambiente. 

A quebradeira começou pelo dormitório casal. Tem uma pessoa fazendo esse serviço. Decidimos começar por lá para servir como teste, já que o nivelamento do contrapiso será nossa tarefa, e a instalação do vinílico também.

Cada caso é um, por isso que em obra não tem certo ou errado. Nestes quase 20 anos de formada, percebi que por mais que detalhamos o projeto, sempre que a reforma começa, imprevistos vão acontecer, e é essa a magia.





Comentários

Postagens mais visitadas