Pular para o conteúdo principal

Diário da Reforma - Piso sobre Piso ou Retirar o Existente?

Desde que entrei na casa, a primeira coisa que pensei foi: preciso trocar este piso!

Piso cerâmico de baixa qualidade, com desenho que imita taco de madeira, e no tom marrom avermelhado. Muitas combinações que não me agradavam. 

Assim que visitei o imóvel fiz vários registros, e com certeza esse piso - 
e o azul forte da fachada - foram os me mais me incomodaram.

O piso anterior era taco de madeira, mas segundo os proprietários, estavam bem deteriorados - ah se eu tivesse chegado um pouco antes - e trocaram pela cerâmica. Até ai, tudo certo. Mas esse tipo de cerâmica é bem frágil, o piso mal tinha sido colocado e já tinha partes quebradas, um simples cair de uma chave de fenda já causou um belo estrago.

 
Selecionei dois trechos com os quebrados, mas tem bem mais.

Não me preocupei em protegê-lo, a obra seguiu, e ao longo do tempo percebemos muitos arranhões e lascados nos cantos, entre os rejuntes. Claro que por estar em obra, e sem proteção, os estragos foram maiores. 

Perceba a altura da porta, não passa nada por debaixo dela. A primeira
ideia era quebrar o piso até os pilares e fazer um degrau. 
Não gostava dessa opção.

Tinha pensado em fazer um cimento queimado por cima, ou colocar um vinílico. Qualquer um dos dois seria perfeito, pois não seria preciso arrancar o piso e gerar mais entulho. Fazendo análise dos cômodos, percebi que a porta da sala é de ferro. E a altura abaixo dela não permite colocar piso sobre piso. Problema detectado. Alternativas:

- quebrar somente o hall de entrada, fazer um degrau na sala e vida que segue; ou

- quebrar todo o piso, mantendo o nivelamento de todos os ambientes (exceto o dormitório que é mais elevado), como é hoje.

Para instalar piso sobre piso, o existente precisa estar bem instalado, caso contrário vai soltar o revestimento que virá por cima. Com o andamento da obra percebemos que em alguns trechos, o piso cerâmico está "oco", ou seja, a peça está se soltando. 

O piso do dormitório foi retirado super rápido, sobrou a argamassa, que também vai sair, 
assim o degrau vai ficar mais baixo, mas não conseguiremos nivelar,
 pois teria que quebrar o contrapiso.

Após analisar as possibilidades, chegamos a conclusão que será mais correto retirar o piso existente, fazer um contrapiso e só assim instalar o novo revestimento, que a princípio será um vinílico.

Descartamos o entulho em locais apropriados, aqui em São Paulo existem os EcoPontos espalhados por várias regiões. O lixo recebe o destino correto, o que não prejudica o meio ambiente. 

A quebradeira começou pelo dormitório casal. Tem uma pessoa fazendo esse serviço. Decidimos começar por lá para servir como teste, já que o nivelamento do contrapiso será nossa tarefa, e a instalação do vinílico também.

Cada caso é um, por isso que em obra não tem certo ou errado. Nestes quase 20 anos de formada, percebi que por mais que detalhamos o projeto, sempre que a reforma começa, imprevistos vão acontecer, e é essa a magia.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç