Pular para o conteúdo principal

Presentes Que Trazem Lembranças

Todo ano procuro fazer os presentes de natal para minha família. Você já deve ter visto por aqui aventais de mamãe noel bordados com os nomes das minhas tias, bastidores bordados, bolsas e sacolas, xilogravuras e muito mais.

A escolha do que fazer depende de tantos fatores, mas gosto principalmente de pensar na pessoa que vai receber, gosto de criar para alguém, pensar nela enquanto faço o presente. E cada ano é um ano, às vezes tenho ideias mas não tenho tempo de executá-las, outras tenho mais tempo mas não sei o que fazer - acontece com todo mundo. Mas uma coisa é certa, ter repertório é o melhor para ativar sua mente no momento da criação.

Com a parede de azulejos ao fundo e a lembrança nas mãos.

Estou fazendo uma reforma de cozinha e tenho visto inúmeros revestimentos nos últimos meses. Fui a feiras, a exposições e a lojas, assisto vídeos e vejo o que estão usando. Sigo os lançamentos das grandes marcas, e das pequenas também.

Numa das minhas visitas ao outlet da Colormix, encontrei uns azulejos de casinhas, feitos a mão na Itália, coisa mais linda. Só tinham 11 peças lá, e eu comprei todas, ainda sem saber direito o que fazer com elas. A ideia seria complementar com outros azulejos, mas procurei muito e não encontrei nada do tamanho deles. Por serem feitos a mão, existe essa diferença de padrão com os revestimentos de fábrica.

Visitando a exposição Casa na Oca, eu vi várias azulejos fazendo parte da decoração, ou pendurados como quadros, ou assentados diretamente na parede e comecei a me animar a usar os meus de casinha de outra forma. Vendo um vídeo no youtube, uma moça ganhou um quadro de ladrilhos hidráulicos, e ficou muito lindo. Fui conhecer o espaço da Calu Fontes - que faz azulejos artesanais maravilhosos - e encontrei bandejas e tábuas de frios com azulejos aplicados. Ou seja, em momentos diferentes do meu ano o azulejo esteve presente na minha rotina...e então o presente não poderia ser diferente.

No porão da minha casa existem várias sobras dos azulejos, todos que foram usados aqui. Como vocês sabem, a maioria deles é azul inclusive meu ateliê. Isso me incomodava antigamente, mas hoje em dia eu gosto muito. Essa casa era dos meus tios, eles que construíram. Moraram aqui muitas pessoas - 2, depois 6, 7 pessoas e por fim estamos apenas eu e minha mãe.

Usei um mdf revestido de laminado, que deixa mais resistente. 

Nestes anos todos, além de nós, muitos primos, tios e pessoas queridas passaram por aqui. São anos de bons momentos e outros não tão bons assim, mas que fazem parte da minha história. Da história da minha família.

Decidi pegar um azulejo e encaixar numa madeira e fazer um porta panelas - ou objeto de decoração -e dar de presente para essas pessoas que fizeram parte destes momentos. Escrevi uma cartinha, explicando a intenção, e a resposta foi tão incrível, tão emocionante, e na verdade o presente mais simples que fiz até hoje (gastei zero com o azulejo e usamos a máquina para cortar mdf que já tinha em casa) foi o que mais trouxe lembranças e emoções para minhas primas.

Post lindo feito pela minha prima Marta. Mamis também faz presentes artesanais.

Pensem nisso, o maior presente pode ser as recordações que as pequenas coisas trazem. Meus tios ainda estão vivos e saudáveis, a casa ainda está em pé, mas não sabemos por quanto tempo. E ter um pedacinho daqui de recordação foi a maneira que encontrei de trazer de volta a magia do natal.








Comentários

  1. Oi Andrea. Tenho uns ladrilhos hidráulicos, com essa mesma história sobre as lembranças de família. Fiquei muito feliz em ler sua história. Eu estava procurando ideia de como fazer _ a inspiração já achei. Muito obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bem? Seu nome não aparece para mim. Que legal, tem muitas coisas que podemos fazer com azulejos e guardar a recordação, presentear. Depois me mostra. Obrigada

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç