Pular para o conteúdo principal

Diários da Quarentena - Textos, Desenhos e Orações

Lá em março eu não imaginei que fossemos passar tantos meses em casa, saindo apenas quando necessário para fazer compras ou ir a farmácia. E aquele primeiro momento me deixou muito apreensiva.

Um dos meus primeiros impulsos foi pegar um caderninho e começar a escrever meus sentimentos, que estavam bem confusos. Fazer diário nunca foi para mim, sou bem reservada e não gostaria que outras pessoas pegassem meus escritos para ler.

Este caderno eu ganhei de uma prima querida e já tem muitas coisas escritas, mas 
decidi usá-lo para meu diário também.

Anos depois, mais precisamente em janeiro de 2013 criei um blog chamado Eu Mesma Fiz. As primeiras postagens ainda estão aqui, e colocava fotos das bolsas que eu estava aprendendo a costurar - fotos bem mal tiradas por sinal - pouco escrevia; mas o tempo foi passando e ele virou uma forma de extravasar meus sentimentos - no final de 2012 meu pai faleceu depois de quase dois anos doente.

Aquela que não gostava de demonstrar os sentimentos agora tinha um blog, onde qualquer pessoa podia ler, entrar no meu infinito particular. E assim foi, aprendi a gostar deste espaço, de compartilhar meus aprendizados, de trocar com outras pessoas, de contar um pouco da minha família, da minha história, de divulgar minha loja. São quase oito anos!

Aquarela da Casinha que a Lu tem lá no interior do Rio Grande do Sul.

O caderninho / diário da quarentena está parado desde o final de junho. Não senti mais vontade de escrever. Ele foi sim importante para mim durante os meses mais difíceis, mas agora me sinto bem, apesar de ainda não estarmos totalmente livres dessa pandemia, acredito que aprendi a lidar com ela e com os meus sentimentos.

   
Desenhos despretensiosos, feitos sem muita preocupação, o importante é olhar a foto e reproduzir o sentimento que aquela imagem te traz.

Além do diário, fazer desenhos/aquarelas de fotos tiradas por pessoas nas redes sociais, tem sido um exercício gostoso. Desenhar me faz bem, e aproveito para conhecer o mundo através do olhar de outras pessoas, visito cidades no Brasil, no exterior, paisagens naturais, paisagens medievais, casas antigas - as minhas favoritas - e assim vou preenchendo outro caderninho.

Mini caderninho, vieram quatro numa caixinha, e estou usando para as orações.

Mais uma prática que fiz foi criar o meu caderno de orações. Sigo um perfil no ig que chama-se Livrinhos. Eleanor faz livrinhos de orações a mão, uma riqueza. Sou admiradora deste trabalho há anos. E durante a quarentena peguei outro caderninho (tenho vários) para começar a escrever orações. O ideal era escrever uma por dia, mas não consegui ainda.

Talvez estes registros sejam importantes no futuro, quando eu olhar para trás e quiser recordar de como foi passar por isso, de como a nossa geração tão cheia de facilidades, teve que se reinventar e aprender a aceitar que nem tudo é como queremos. Tem sido um bom aprendizado.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç