Pular para o conteúdo principal

História das Mulheres no Masp

Finalizando a sequência de exposições que eu havia me programado - vão aparecer muitas outras até o fim do ano - fui ao Masp conferir uma exposição com obras só feitas por mulheres. Há menos de um mês que entrou em cartaz, e por isso quis ir logo no começo, para não acontecer com a Tarsila, que fui deixando e as filas ficaram enormes...e não vi.

Dá para ficar horas observando esse quadro da inglesa Emily Osborn. Adorei o piso, a riqueza de detalhes e inclusive o tema, já que é uma mulher tentando vender um quadro num ambiente bem masculino. Olha a cara de desdém do moço.

Adorei essa artista francesa, Adrienne Grandpierre-Deverzy, foram os dois quadros que eu mais gostei. São ateliês de mulheres pintoras.

Para minha felicidade tinham alguns posteres dos quadros a venda e esse estava entre eles. Claro que não pensei duas vezes, comprei! Vai ganhar uma moldura e um espaço lindo na minha casa.

  
A foto nunca condiz com a realidade. As peças de tecido são muito lindas.

Histórias das Mulheres artistas até 1900. Muitos trabalhos desconhecidos, muitas mulheres ficaram em segundo plano quando o assunto era pintura de belas artes - tema quase que exclusivamente masculino.

Parece uma foto! Abigail de Andrade é a artista. Trabalho primoroso 
que foi reconhecido na época.

A exposição reúne pinturas e tecidos também, que datam de diferentes épocas e origens, mas eram todos feitos por mulheres, ou seja, era o trabalho mais indicado para elas. E apesar de não ser considerado arte naquele período, hoje vemos com outro olhar, ainda mais nós que amamos um tecido bordado, um quilt, vale muito conhecer de perto e ver as semelhanças com o que produzimos hoje.

   
Quilt, patchwork, bordado, trabalhos lindos que fazemos até hoje.

Encantada. Não me recordo o local, mas era da Ásia com certeza.

Nem todas as artistas eram desconhecidas, alguns fizeram sua carreira e tiveram muito reconhecimento nas sociedades francesa, espanhola, andina e brasileira.

No subsolo tem a exposição Histórias Feministas, com trabalhos de mulheres após os anos 2000. Achei interessante o contraponto das duas épocas, e que apesar de muitos anos ainda sofremos preconceito por parte da sociedade. Talvez não na pintura, mas em outras áreas. Não sou especialista, mas sim defendo as mulheres e acredito que cada uma de nós pode fazer o que quiser, sem se preocupar com o julgamento alheio, inclusive de outras mulheres.


Acervo nos cavaletes de vidro. Van Gogh ao lado de Renoir

   
Bailarina de Degas e mais um panorama geral do acervo.

Aproveitando que você está no Masp, não deixe de visitar o acervo com as obras expostas em cavaletes, originalmente desenhados pela Lina Bo Bardi, minha arquiteta favorita, ao lado de Zara Hadid.

Daria para fotografar todos os corredores. Só obra incrível! Eu já visitei o 
Masp várias vezes, mas foi a primeira em que vi o acervo nos cavaletes.

Essa forma mais fluida de visitação foi muito interessante. Mistura quadros, esculturas e utensílios com vasos. Todas as peças estão voltadas para a frente e as informações ficam atrás dos quadros, assim caminhamos dando voltas pelos corredores, achei bem divertido. Sem contar que o acervo inclui Portinari (meu favorito), Monet, Manet, Degas, Goya, Van Gogh, entre tantos outros.

Portinari é um dos meus artistas favoritos. São muitos sentimentos envolvidos nestas pinturas.

Lembrando que a exposição fica até 17 de novembro, às terças a entrada é gratuita e não deixe para a última hora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç