Pular para o conteúdo principal

Agulhas de Bambu - Fiz as Minhas

Faz um tempo que não posto com regularidade, infelizmente precisei dar prioridades a outros assuntos, e isso me deixa bastante chateada, já que o blog é meu lugar preferido nesse mundo digital.

Hoje quero falar sobre fazer sua ferramenta de trabalho. Quando eu conheci a Mari - Pra Gente Miúda, e fiquei sabendo que as agulhas de bambu que ela vendia eram feitas por um senhorzinho de 80 e poucos anos, eu me encantei com essa história e logo comprei as minhas.

As agulhas prontas. Estou muito encantada com todo o processo e o resultado.

Mais tarde descobri que várias artesãs também faziam as agulhas. E eu achando maravilhoso todo esse trabalho manual. Ano passado comprei na Mega Artesanal um par de agulhas de tricô enormes! Também foram feitas a mão. São mais decorativas do que qualquer coisa, mas lindas e dão um charme pro meu ateliê.

Mesmo sabendo que era possível produzir minha própria agulha, eu que adoro trabalhar com madeira, nunca pensei sobre isso. E quando soube da oficina de agulha de crochê com as meninas do Meio Fio, essa vontade surgiu. Não consegui fazer a aula, mas fico na expectativa de conseguir fazer a minha agulha de crochê com cabo de vassoura este ano ainda.

Semana passada fiz uma viagem meio trabalho/meio descanso, para o sul de Minas Gerais, na casa dos meus tios. Fazia mais de um ano que eu não dava uma chegadinha lá. E desta vez, olhei para tudo com outros olhos, já que a casa logo será vendida. São muitas recordações da infância, das minhas férias, do meu pai que sempre estava por lá... 


Meu tio bem pequeno diante do bambuzal magestoso!

Na chácara tem um bambuzal bem grande. E sem planejar, decidi cortar um pedaço do bambu para brincar de fazer minhas agulhas. Fomos eu e meu tio escolher qual seria usado. Não tenho menor ideia se tinha que ser verde ou mais maduro, escolhi um que tinha a base mais larga e lá fomos nós.

  
Mais detalhes de perto, os bambus ficam entrelaçados.

Depois de cortado - meu tio usou o machado, fiquei só olhando - separamos as partes entre os nós. Não sei se você tem familiaridade com essa planta, eu nunca fiz agulha mas conheço bem. A cada 30/40 cm existe um nó no bambu. Imagina um canudo gigante, esse é o bambu, ele é oco por dentro, mas a cada distância que varia um pouco, ele é fechado por dentro, e depois segue aberto de novo. E esse espaço fechado chamamos de nó.

  
Retirando o bambu escolhido e ao lado ele já no cortado...como é enorme.

Meu tio cortou uma parte e eu cortei o resto. Depois peguei cada seguimento e dividi em outras partes menores, até ficar próximo do diâmetro de uma agulha. Lá mesmo escolhi um e tentei esculpir. O bambu é macio para trabalhar, mas ao menos tempo tem uma rigidez que dá uma grande resistência para ele. Comecei tentando fazer a agulha de crochê. não deu certo. Mudei para a agulha de tricô e ficou bem legal. Faltou lixar, mas eu já estava quase voltando para São Paulo, e decidi trazer todas essas partes para criar minhas agulha por aqui.

Com uma serra de arco, separando os nós.

  
Separei em partes menores para ficar mais próximo do diâmetro das agulhas. A primeira agulha feita por mim. Faltava lixar, mas fiquei bem feliz de ver que é possível sim fazer.

 
  Uma teia maravilhosa entre os bambus. 

Essa semana, apesar de muito corrida, tirei um tempo para fazer a agulha de crochê, e gostei demais do resultado. Falta passar um óleo - ou algum produto - para dar uma lustrada na peça, mas ficou muito bonita. Testar ainda não testei, mas não quero vender agulhas, tendo outro destino para elas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç