Pular para o conteúdo principal

Experimentos com Crochê

Olá,

Pensa num lugar para fazer cursos bacanas. Aqui em São Paulo temos o Sesc Pompéia. Já comentei inúmeras vezes como gosto de lá e os muitos cursos que já fiz (para ver todos os posts relacionados, escreva Sesc Pompéia no campo de busca).

Neste início de ano as aulas foram voltadas para a arte e identidade latino-americana, o Latinossomos. E tive oportunidade de fazer dois cursos. O primeiro de bordado com agulha mágica, com a Laura Ameba e o segundo de Tecimento Experimental: Máscaras de Crochê com o Sebastian, Ingrato. Ambos eram chilenos, mas tinham professores de todos os países da América Latina.

Sebastian nos passando referências durante o curso.

Confesso que fui fazer o curso sem ter certeza do que me aguardava. E me surpreendi muito positivamente. Gosto do crochê, sei fazer o básico, leio gráficos também, mas quero mais, extrapolar o tradicional e me atualizar, usar fios de malha, agulhas mais grossas, fazer diferente.

Durante a aula todo mundo com a mão na massa na construção da máscara.

O Sebastian é muito jovem, formado em designer e muito criativo. Começamos selecionando duas linhas (lãs, fios de qualquer espécie) para começar a tecer a máscara. Como não sou ágil e o curso era de apenas dois dias, decidi fazer uma peça mais aberta, sem aquele fechamento total do rosto. Comecei com um arco para a cabeça e fui descendo, criando sem regras e nem gráficos, aliás não deveríamos ter esse tipo de preocupação.

A simetria também não estava nos meus planos. E assim foi crescendo a máscara, usando cores e pontos básicos. Tivemos dois dias para fazê-la, o curso foi de manhã e a tarde em casa pudemos continuar, até a aula do outro dia. E foi tranquilo para mim, consegui finalizar a minha.

A minha máscara finalizada. Foto Ingrato.

Como sempre, ao final de todas as aulas, cada pessoa faz uma peça diferente da outra, e isso é muito interessante. Algumas tinham mais conhecimento em crochê (como as meninas do Coletivo Meio Fio), outras nem tanto, mas o importante é a evolução de cada uma.


Turma reunida com suas incríveis máscaras. Foto Ingrato

Me senti apta a continuar no crochê, a experimentar mais, não ter medo de arriscar e não usar nenhuma receita. A peça saiu com muitos detalhes, talvez não usasse todos juntos, mas valeu pelo teste, pelo experimento em si e na próxima oportunidade farei diferente.

Início do evento, as pessoas se aproximando e criando seus crochês.

No sábado teve um encontrão de crochê, com o Homem na Agulha, o Coletivo Meio Fio e o Ingrato. Foi muito gostoso. Qualquer pessoa podia chegar e começar a tecer, sendo crochê, tricô, macramê, e acrescentar seus feitos numa peça única, uma espécie de roupa com tramas largas, feita pelo Sebastian. Eu aprendi a fazer rabo de gato e crochê com os dedos, foi demais. Fiz um coração de crochê com as queridas do Coletivo Meio Fio. Tinha muito trabalho inspirador exposto, criativos dispostos a orientar e apresentar essa técnica para quem nunca imaginou fazê-la.

Eu sai uma hora antes de terminar o evento e a peça já estava quase toda preenchida.

O ano vem rendendo, comecei fazendo a manta do tempo, apesar do crochê ser tradicional, a proposta é bacana, usar a temperatura do dia para cada cor, e o fato de fazer um pouco por dia ajuda a manter a prática e agilidade, algo que não tenho. Já fiz algumas bandeirinhas, outro item que estava nos meus planos há tempos e estou prestes a finalizar um vidro com coelhinho de crochê, mostrarei logo mais.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç