Pular para o conteúdo principal

Primeiras Peças Feitas da Burda - Capa e Colete

Olá,

Quando comecei a costurar queria fazer roupas para mim. Dei meus primeiros passos na máquina de costura fazendo necessaires, bolsas e achava que fazer roupa seria um pulo, mas não. Me enganei. Comprei revistas de moldes e acabei deixando de lado, só olhar aquele monte de linhas umas sobre as outras me dava calafrios. Decidi fazer minha própria modelagem e com ela consegui realizar meu desejo de ter as minhas roupas feitas por mim.

Mas fazer a modelagem é trabalhosa. São muitos passos até chegar numa peça bacana, que te sirva bem. Então porque não tentar usar um molde pronto. E lá fui eu com as minhas revistas Burda (só ouvia falar nas estrangeiras, e quando lançou a publicação nacional eu comprei algumas) escolher o modelo para debutar. Escolhi uma blusa meio grunge xadrez. Copiei o molde, passei para o tecido e a peça piloto ficou enorme. Fui direto na modelagem 38 e nem conferi minhas medidas. Reduzi para o 36 e não mudou muita coisa. Larguei a blusa de lado, e continuei nas minhas modelagens.

sobrinha fofa com sua capa bem quentinha 

Manter uma peça parada assim sem terminar não me agrada. Eu gosto de concluir tudo que faço. Desmancho, refaço, dou para alguém, mas não fica parada aqui. Ainda não fiz isso, fiquei com medo de pegar aquela blusa de novo. Decidi partir para um projeto novo. Minha sobrinha faria aniversário e achei que seria uma boa hora para tentar fazer um presente para ela.

usei um zíper branco que já tinha em casa, para o forro do capuz usei um moletom preto. Ela amou!

Selecionei uma capa de chuva para começar. Mas a ideia não era fazer com tecido impermeável, queria uma flanela quentinha para colocar por cima do casaco nos dias frios, quer aliás foram muitos aqui em São Paulo. Numa das minhas conversas com a querida Katia Linden e ela me disse que na revista existem projetos fáceis, com passo a passo fotografado e que o molde está em destaque para facilitar a cópia. Humm, gostei. Mas a capa não era um deles. Olhei novamente as revistas e encontrei um colete com bolsos, era simples, tinha todos os itens comentados por ela e lá fui eu começar a copiar o projeto.

Foi bem tranquilo mesmo. O molde estava pintado na cor rosa, super fácil de localizar. Antes conferi as medidas com as minhas e o tamanho 36 ficou ok. Primeiro passo dado, agora faltava copiar o da sobrinha. Conferi as medidas dela também, passei um marca texto no molde para facilitar (outra dica valiosa) e copiei tudinho, deu trabalho, mas ficou ok.


colete pronto e ficou muito lindo

Numa das minhas visitas a Pinheiros, comprei uma flanela sintética bem quentinha e barata. Com 1.50 m eu cortei a capa e o colete. Agora faltava costurar. Comecei pelo passo a passo do colete e foi bem fácil mesmo. Fui me animando e costurava a capa ao mesmo tempo, mas esta já me deu mais trabalho. No final mudei algumas coisas nela, mas o resultado ficou muito bom. Se eu não tivesse nenhum conhecimento em costura de roupas, talvez não conseguisse fazer a capa, tem capuz, zíper...foi mais complexo o processo. Já o colete foi bem tranquilo.


viés nas cavas e decotes, atrás tem um cinto que dá uma afinada na silhueta, detalhes do forro do bolso, usei um tricoline porque achei que ficou muito grosso.

Estou bem animada e com certeza farei muitas outras peças a partir de agora. Mais alguém tem medo dos moldes de revista?









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç