Pular para o conteúdo principal

Caçambas, Aí Vou Eu!

Hoje vim compartilhar com vocês como foi o curso de marcenaria para não marceneiros. Foram 4 aulas incríveis, onde aprendi muito na prática, com a mão na massa mesmo.

As aulas foram dadas pelo Rematéria, que são responsáveis por algumas intervenções que vemos pela cidade de São Paulo, como exemplo no Largo da Batata, em Pinheiros. Vale conferir o trabalho deles, é muito bacana.

Após conhecermos alguns móveis que eles fazem com madeiras descartadas pelas ruas e como é interessante reaproveitar e criar peças novas, fomos conhecer as ferramentas e como elas funcionam. Apresentações feitas, hora de criar! A proposta era que cada grupo criasse uma peça com os materiais previamente separados pelos professores. Um grupo ficou com os pallets, outro com as caixas de feira e o terceiro com tábuas, portas, janelas. Mas existia material de apoio (pés de mesa, cabeceiras de cama, vigas...) para complementar na execução.

Eu escolhi o último, queria usar madeiras maiores e mais pesadas. A primeira conversa do grupo foi de fazer um armário ou um rack, mas a minha sugestão foi fazer um banco, fugindo totalmente do uso original das peças, já que eram na maioria portas de armário. E o pessoal concordou.

Fotos Remateria. Grupos reunidos, ferramentas, meu croqui com a ideia do móvel e professor ensinando a usar a serra.

Cada um foi dando sua contribuição no projeto e partimos para a execução propriamente dita. Mede daqui, serra dali e assim a peça foi ganhando forma. Desafios foram aparecendo no meio do caminho, exemplo como estruturar o banco, já que as madeiras eram pesadas. Sempre com a ajuda e experiência dos professores fomos transformando o projeto em realidade.


selfie com o pessoal trabalhando ao fundo, ideia inicial com as venezianas como encosto. Móvel  finalizado já lixado, pintado e envernizado com o grupo e professores (faltaram duas integrantes). Os três móveis criados na oficina: sofá (incrível) de pallets, nosso banco com portas e janelas e o rack com caixas de feira. Todos lindos e muito criativos!

Faltava apenas lixar e pintar. E no instante final, sugeri mudarmos o encosto do banco. E não é que ficou mais legal. Todos toparam e assim ficou nosso móvel pronto! Agora quem vai ficar com ele? Fizemos um sorteio entre os participantes de cada grupo para ver quem ganharia o móvel. No meu grupo entramos num acordo e uma das participantes levou pra casa. Sorte a dela que vai ter um móvel super diferente e estiloso!


Foto Remateria. Para fechar com chave de ouro: alunos, professores e suas criações. 

Já algum tempo venho coletando material das caçambas, comecei com madeiras para as xilogravuras, mas descobri que podemos fazer muito mais e essa lição ninguém me tira. Se não serve para alguns, outros podem reutilizar e assim cuidamos do nosso meio ambiente e do nosso bolso também.

Comentários

  1. Oi Andrea, ficou demais o trabalho de vcs! Bem diferente! Obrigada pela dica das inscrições no Sesc. Vou ter que me programar para enfrentar a fila também. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se programa sim Carina que vale a pena! Este semestre não vou fazer nenhum curso, mas ano que vem estou de volta. Boa sorte pra vc!
      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç