Pular para o conteúdo principal

Baú da Minha Avó

Acredito que foi a primeira peça que me despertou o gosto pela antiguidade. Minha avó teve muitos filhos e minha mãe é uma das mais novas, ou seja, tenho vários primos bem mais velhos do que eu, que também poderiam se interessar por eles, mas como estavam aqui na minha casa, no sótão, acabou caindo no esquecimento.

Com mais de 100 anos, precisam de restauro sim, mas fico feliz de tê-los comigo.

Me lembro que uma das minhas primas queria, mas ela casou, se mudou e não caberia na casa; eu devia ter uns 17 anos nessa época, me lembro de ter falado para minha tia que eu os levaria comigo, que cuidaria deles. E assim será.

Há mais ou menos uns sete / oito anos eu me inscrevi no programa Admirável Móvel Novo, do GNT, onde eles reformam móveis antigos dando uma cara bem colorida e moderna, tudo feito pelo Estúdio Glória, empresa especializada em garimpos.

Tampa revestida em couro com taxas de metal.

Cheguei a gravar vídeo depoimento, achei que conseguiria, mas não fui aprovada. Fiquei triste, pois fazer o restauro de móveis assim é bem caro. Mas o tempo passou e hoje em dia acho que foi melhor assim, normalmente as mudanças feitas no programa eram bem radicais e o dono da peça não ficava sabendo antes como seria, era uma surpresa. Imagina se eu não gostasse?

  
Detalhe da fechadura e o forro bem deteriorado. Os dois estão praticamente do mesmo estado.

Para fazer essas fotos precisei resgatá-los onde estavam guardados. Vi que precisam sim de limpeza, polimento nos metais e hidratação do couro. Pretendo fazer estes reparos sozinha, hoje em dia tem informação em todo lugar, e tenho mais segurança fazendo por mim mesma.

O forro está bem deteriorado e ainda não sei o que farei. Inclusive algumas pessoas entraram em contato comigo mostrando os baús que herdaram dos familiares, alguns com mais de 200 anos! É muito incrível conseguir manter por tanto tempo uma peça assim, a grande maioria das pessoas se desfaz, pois são grandes e nem todos tem espaço em casa.

Tem alças nas laterais, tudo original.

Minha avó deve ter ganhado dos pais quando tinha por volta de 10 anos. Era comum na época (ela nasceu em 1905) as meninas dessa idade começarem a fazer o enxoval. Elas aprendiam a bordar, a crochetar e guardavam nos seus baús. Minha avó casou aos 16 anos levando os dois baús que tinham as iniciais de solteira ABRA - Ana Bela Risério Amorim. Eu sempre achei muito interessante essa coincidência das iniciais com a palavra abra.

A luz não está muito boa, mas consigo mostrar bem os detalhes.

Dizem que meu avô também tinha, mas não sabemos onde está e minha mãe não se recorda de ter visto. Como eles já se foram há muitos anos, ficam as lembranças, as histórias...

Dentro de um deles tinha esse papel de presente do Baú da Felicidade. Minha avó era grande fã do Silvio Santos.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presépio de Crochê

Faz alguns anos que desejo fazer um presépio de crochê para mim, e sempre penso que vou começar em janeiro, para que no final do ano ele esteja pronto. Acontece que janeiro é sempre mais agitado, depois vem carnaval e quando você percebe já acabou o ano. Meu presépio montado, estou bem feliz com o resultado. Não imaginei como esse projeto traria tanta alegria para minha casa. E neste 2019 não foi diferente, ou melhor, foi. Janeiro passou, chegou o meio do ano e nada de presépio. Mas um dia, no final de setembro decidi começar a crochetar o meu. Bastou dar os primeiros pontos para que eu tivesse disposição e assim foi. Antes mesmo de novembro terminar eu já estava com oito personagens prontos, que ao meu ver são os essenciais.             Alguns registros que fiz na execução dos três reis magos. Ontem, primeiro de dezembro montei meu presépio de crochê, usei uma base de mdf pintada (feita por mim que vai entrar na loja) para o fundo, e ficou lindo! Não imaginei como e

Presente de Aniversário - Aula Com a Lugastal

Segunda foi meu aniversário, e não consegui preparar nenhum post com antecedência - aliás isso está virando uma constante na minha vida de aspirante a blogueira. E não é porque não estou produzindo nada para compartilhar, muito pelo contrário estou numa fase super produtiva, mas não estou conseguindo me organizar para preparar os posts, aliás é preciso fotografar, passar as fotos para o computador, tratar as fotos, digitar o texto, é um trabalhinho considerável, que eu adoro, só não estou dando tanta prioridade neste momento. Um mar de Lindas! E só a minha de calça e blusa!  Algumas fotos são minhas, outras da Lu e das meninas Mas vamos o melhor dessa semana, rever minha querida amiga Lu Gastal. Quem está aqui há mais tempo sabe como eu e a Lu somos parceiras. Nos conhecemos num Patch Encontro promovido por ela em 2014 e desde então foram tantos eventos, feiras, aulas, passeios juntas. Quanta coisa boa tem acontecido comigo nos últimos tempos.              Quanto carinh

A Chita É Chique?

Para inaugurar essa nova etapa do blog, nada melhor que começar com um post bem colorido e cheio de histórias. Quem não conhece a chita, não é mesmo? Esse tecido mega colorido que era considerado de baixa qualidade, e agora começa a ganhar novos ares e novos lares também. Digo era, porque numa pesquisa rápida, descobri que tem estilista produzindo peças incríveis com ela, vem comigo. Quem me conhece um pouco mais sabe que adoro livros, e sempre dou uma olhadinha nas livrarias para conhecer as novidades. Numa destas, encontrei esse daqui: Uma Festa de Cores Memórias de um Tecido Brasileiro, que logo me chamou a atenção pelas cores. Ele conta a trajetória da chita no Brasil e como aqui se fez presente em muitos lares brasileiros. Os desenhos (ou melhor, colagens) são de Anna Gobel, com textos de Ronaldo Fraga. Não tive dúvida, comprei na hora! "Estampas falam, cores suspiram...mas só a chita canta e dança." Algumas páginas do livro, as imagens foram feitas com pedaç