Baú da Minha Avó

Acredito que foi a primeira peça que me despertou o gosto pela antiguidade. Minha avó teve muitos filhos e minha mãe é uma das mais novas, ou seja, tenho vários primos bem mais velhos do que eu, que também poderiam se interessar por eles, mas como estavam aqui na minha casa, no sótão, acabou caindo no esquecimento.

Com mais de 100 anos, precisam de restauro sim, mas fico feliz de tê-los comigo.

Me lembro que uma das minhas primas queria, mas ela casou, se mudou e não caberia na casa; eu devia ter uns 17 anos nessa época, me lembro de ter falado para minha tia que eu os levaria comigo, que cuidaria deles. E assim será.

Há mais ou menos uns sete / oito anos eu me inscrevi no programa Admirável Móvel Novo, do GNT, onde eles reformam móveis antigos dando uma cara bem colorida e moderna, tudo feito pelo Estúdio Glória, empresa especializada em garimpos.

Tampa revestida em couro com taxas de metal.

Cheguei a gravar vídeo depoimento, achei que conseguiria, mas não fui aprovada. Fiquei triste, pois fazer o restauro de móveis assim é bem caro. Mas o tempo passou e hoje em dia acho que foi melhor assim, normalmente as mudanças feitas no programa eram bem radicais e o dono da peça não ficava sabendo antes como seria, era uma surpresa. Imagina se eu não gostasse?

  
Detalhe da fechadura e o forro bem deteriorado. Os dois estão praticamente do mesmo estado.

Para fazer essas fotos precisei resgatá-los onde estavam guardados. Vi que precisam sim de limpeza, polimento nos metais e hidratação do couro. Pretendo fazer estes reparos sozinha, hoje em dia tem informação em todo lugar, e tenho mais segurança fazendo por mim mesma.

O forro está bem deteriorado e ainda não sei o que farei. Inclusive algumas pessoas entraram em contato comigo mostrando os baús que herdaram dos familiares, alguns com mais de 200 anos! É muito incrível conseguir manter por tanto tempo uma peça assim, a grande maioria das pessoas se desfaz, pois são grandes e nem todos tem espaço em casa.

Tem alças nas laterais, tudo original.

Minha avó deve ter ganhado dos pais quando tinha por volta de 10 anos. Era comum na época (ela nasceu em 1905) as meninas dessa idade começarem a fazer o enxoval. Elas aprendiam a bordar, a crochetar e guardavam nos seus baús. Minha avó casou aos 16 anos levando os dois baús que tinham as iniciais de solteira ABRA - Ana Bela Risério Amorim. Eu sempre achei muito interessante essa coincidência das iniciais com a palavra abra.

A luz não está muito boa, mas consigo mostrar bem os detalhes.

Dizem que meu avô também tinha, mas não sabemos onde está e minha mãe não se recorda de ter visto. Como eles já se foram há muitos anos, ficam as lembranças, as histórias...

Dentro de um deles tinha esse papel de presente do Baú da Felicidade. Minha avó era grande fã do Silvio Santos.





Comentários

Postagens mais visitadas